4 de outubro de 2017

Céus... é um mix de emoções, nem sei bem como estar feliz hoje mas ao mesmo tempo só existem motivos para sorrir! Estranhamente, só me apetece desatar a chorar.

Saí agora da consulta de oncologia.

Ano e meio em tratamentos da pesada, cirurgias e radioterapias, injeções dolorosas durante meses e uma incógnita sempre a pairar sobre mim.
Em Setembro terminei todos os tratamentos e realizei exames, hoje tive o aval oficial da médica - estou em remissão. Só cá volto em Janeiro para checkup.
A médica brincou a dizer para eu não me atrever a voltar ao IPO antes disso e só cá venho para dizer olá e dar um beijinho.
É muito engraçado todo o ambiente...mas...

Isto não é certeza de nada, não garante nada. É, mais uma vez uma celebração de uma boa fase, de uma boa saúde atual. No fundo, todos estamos ao dispôr das doenças e acidentes, certo?
Serei sempre uma doente oncológica, com possibilidades estatisticas de reincidências.
Mas serei sempre humana com todos os outros e volto a enfrentar as mesmas probabilidades do ser comum.

Eu sei, e quem me conhece sabe bem também, que sou muito positiva, e viver a sério faz parte de mim. Mas não deixo de ser frágil, não deixo de ter os meus momentos de dúvida e dor.

As mazelas físicas e psicológicas fazem já parte de mim e moldaram a minha pessoa.
Mutilada, com dores constantes, sem dormir 3 horas seguidas há mais de 1 ano, e muitos fantasmas.
Ninguém, a não ser as minhas companheiras de luta percebem exatamente do que falo.

Quando a morte vive connosco tanto tempo e tudo nos parece finito e curto, é impossível voltar simplesmente à pessoa que era antes.

Não é possível esquecer todo este processo, todas as caras de sofrimento com quem criámos relação no IPO, todas as crianças que vimos a passar pelo processo ao nosso lado, todas as amizades que fizemos entre doentes, todas as vezes que queriamos gritar de dor mas sorrimos para apaziguar os que nos amam e todo sofrimento que contivemos dentro de nós para mantermos o equilibrio de toda a familia...

Desculpem o desabafo, mas pôrra, que não hajam dúvidas da grande mulher que sou!
Lutei, sobrevivi, sorri e amei e cá estou para continuar aproveitar cada segundo, cada dia e cada sorriso.

Obrigada a todos os que me deram força!
E muita força para todas as mulheres que estejam a passar pelo mesmo processo!

E cá vou desatar a chorar, para libertar tudo o que me vai cá dentro.

21 de março de 2017

Vida após cancro

Fez, na semana passada, um ano que recebi o meu diagnóstico.

Lembro-me bem desse dia, mas não o quis assinalar oficialmente por não ser uma data que deseje relembrar ou marcar.

 Eu bem recordei, para mim mesma apenas, aquele dia. Mas às páginas tantas, parece que cada vez que nós, doentes oncológicos, falamos da doença; os outros já não querem ouvir ou fazem um esforço para o fazer. É claro que sei que não é por mal que o fazem, é apenas e simplesmente por quererem acreditar que foi apenas uma fase, já passou e agora querem ver-nos a sorrir e a continuar a viver, quase como se nada tivesse acontecido…

 Mas a verdade é que aconteceu, e muito. Há vida após o cancro? Claro que sim! Mas nunca mais será a mesma. E a principal razão disso, nem é o facto de sermos doentes sem qualquer previsão ou certeza do futuro, mas antes o que aquele dia nos fez… o dia do diagnóstico…

 Aquele foi o dia em que passei a minha vida em filme, em que analisei se fui feliz, o que consegui fazer, e acima de tudo, o que deixarei de mim para os que amo.

Tenho três filhos, e a verdade é que passei o dia a pensar o que seria da vida deles sem mim e o que poderia fazer já para lhes deixar o mais possível do meu amor e do meu afeto. Aquele dia mudou a minha pessoa para sempre. De certa forma, acordou-me do transe em que estava. Um típico ciclo de preocupações laborais, consumistas e fúteis em que nos embrulhamos sem percebermos bem como ou porquê.

Eu estava em casa, quando recebi o telefonema do médico. Quando ele acabou de falar e desliguei o telefone, aparentemente muito calma e educadamente, não sabia onde estava. A divisão levantou voo e deixei-me cair no chão. O mundo lá fora continuou a girar, mas eu… eu ali fiquei durante horas sem conseguir raciocinar corretamente.

Existem sempre coisas que gostaríamos de ter feito de forma diferente na nossa vida, mas o passado fez de nós o que somos e o que interessa é levantarmos e vivermos o presente. Nem sequer o futuro deverá ser razão para nos afundarmos em preocupações e ciclos de stress exacerbados, pois esse ninguém o conhece. É preciso viver o agora, aproveitar o que temos, amar os nossos e sorrir e dar ao mundo o melhor de nós.

Foi um ano muito duro, e muitas vezes eu me perguntei porquê, por não achar que o merecesse. Mas bem sei que a doença não escolhe carácter, indigna essa que colhe tantos corações lindos. E a luta ainda não acabou, os danos são reais e permanentes… e a dor é profunda e apenas percebida pelas colegas de luta – mãe, parceiras de tratamento, estranhos com quem partilhámos lágrimas no IPO…

Mas bonitas amizades surgiram entre tratamentos e desabafos, e crescemos com tudo isto. Enchemos o coração e seguimos em frente. Que a vida continua sim. Diferente, sim. Um sabor bem mais intenso, uma vontade bem mais real e um valor imensuravelmente mais bonito e significativo.

 Por isso, estou na minha varanda a beber um café ao sol e a ouvir os pássaros. E daqui a pouco vou buscar as minhas filhas à escola com um grande sorriso e dar-lhes um grande abraço, como se fosse o último ou o primeiro de muitos.

Venha mais um ano.

26 de maio de 2011

Inscrição na Escola Primária em Portugal

Ando há mês e meio a “tentar” inscrever o meu filho na escola primária.
Para quem não sabe, não temos direito de ver as escolas nem saber qual o currículo nem actividades de cada uma e muito menos escolher qual a escola em que o nosso filho irá andar…

Tem sido um processo caricato o suficiente para manter o cunho de serviço público português a que estamos habituados e merecia já uma produção cinematográfica à Manoel de Oliveira…
Com certeza ganharia prémios internacionais na categoria Comédia, pois nenhum estrangeiro na sua perfeita saúde acreditaria que tal fosse reflectisse a realidade.
Bom… e daí já não sei… Com base nos últimos filmes estrangeiros que vi, onde retratavam a nossa sociedade, somos enfiados num estereótipo grego/português de labregos à grande… Lembrei-me agora daquele filme onde o Colin Firth vem a Portugal atrás da Lúcia Moniz e a família dela – ou seja, nós portugueses – somos retratamos como bairristas mafiosos sem grande educação…

Voltando ao processo de inscrição do Tiago na escola…
As várias idas à escola, ou seja, tentativas falhadas de inscrição do meu filho na escola têm razão de ser, mas é claro:

(Razões estas que se acumulam tipo bola de neve para me levarem ou a mim ou aos próprios funcionários à loucura ou ao suicídio…)

1ª - A escola só aceita inscrições dois dias por semana em horários específicos que coincidem com horas e almoço de funcionários, deixando a funcionária que sobra para nos atender com uma vontade louca de sorrir e disposição incrível. (Ela fez questão de mencionar em voz alta ”qualquer dia temos de comer e dormir aqui”)

2ª – A satisfação profissional dos funcionários públicos é à portuguesa …
Ou seja, à 2ª tentativa a funcionária (a mesma…) atira-me os papéis dizendo que estão mal preenchidos e que tenho de voltar ao início. Pior… não se disponibiliza para me ajudar (já que tem um computador à sua frente) e diz-me que a informação está toda na internet.
Ahahahaha…ironia das ironias: as escolas portuguesas estatais não têm site e os nomes que aparecem nas listas online não são iguais aos nomes que a senhora tem na sua listinha preciosa que não partilha comigo, por isso volto para casa.

3ª – Pedem-nos fotocópias de vários documentos (logo, vamos à papelaria tirar fotocópias) para depois descobrirmos que vão digitalizar os documentos lá na escola.
Não vejo problema nisso até me aperceber que ninguém sabe pôr o scanner a funcionar e muito menos percebe o sistema que indica mensagens em inglês. Depois de uma batalha entre o computador e o “especialista” lá da escola, o senhor ainda passa mais dez minutos a tentar perceber onde é que o sistema guardou os documentos…
(Por esta altura, eu já me estou a rir sem conseguir disfarçar e o Nuno começa a deitar fumo pelo nariz)

4º - Finalmente, têm de inscrever o meu filho num portal online do estado, preencher todos os campos e submeter os documentos digitalizados. O especialista não se apercebe que está a guardar os scans num formato não permitido pelo sistema, porque em vez de ler a mensagem de erro que surge no ecrã, anda com a pop-up de um lado para o outro a tentar ver o que está por baixo…
(Aqui já estou uma pilha, a tentar controlar-me para não atirar o senhor contra a parede e fazer eu a inscrição…)

5º - Após mais alguns minutos de sofrimento, espantem-se (ou não…) a internet foi-se e não se consegue aceder ao portal de inscrições. Não estou a brincar, a escola ficou sem internet e ninguém parece stressado e uma das funcionárias acha piada e ri-se, ainda que com algum sarcasmo que denota algum desespero.

Depois de tudo isto, sem grande vontade de me rir lá me vim embora sem ter qualquer confirmação de que o meu filho esteja ou não inscrito para entrar na escola…
Mas não era a altura ideal para desagradar aqueles funcionários prestes a organizar uma iniciativa colectiva ou de suicídio ou de homicídio – não eu para perceber bem qual seria a escolha.